Atualmente estamos acompanhando um novo conceito que está sendo implementado em nosso país, gerando muitas dúvidas sobre o que realmente significa. Falo hoje sobre o Open Banking, mas, afinal, você sabe sobre o que se trata?

            Open Banking significa, em outras palavras, que haverá um sistema bancário aberto, sendo este um dos significados da tradução do nome, haja vista que a tecnologia atual chegou a patamares nunca antes imaginado. Será possível ingressar todas as instituições bancárias e demais sistemas do mercado financeiro em um único padrão, ofertando, de tal forma, uma comunicação fácil, simples e interligada com o objetivo de otimizar e simplificar o compartilhamento de dados.

            Dados relacionados ao perfil bancário do consumidor poderão estar presentes em qualquer instituição bancária em que este queria transportar suas informações, como por exemplo: pagamento de contas, salários depositados, prestações, empréstimos, perfil de gastos e etc. Para que isso ocorra, o consumidor deve autorizar a transição de dados e esse poderá ocorrer mesmo que possua um nulo relacionamento com a nova instituição bancária a ser escolhida.

            Portanto, vamos elencar algumas das principais dúvidas referentes ao Open Banking:

            Quais são as vantagens que o Open Banking oferece ao consumidor? O consumidor irá adquirir mais liberdade sobre suas finanças, pois haverá maior visibilidade de pagamentos e maior facilidade ao acesso de produtos ofertados pelas instituições bancárias, uma vez que diversas taxas poderão vir a ser reduzidas. Esta redução ocorre por conta da integração do banco de dados das instituições, oferecendo menos gastos e processos mais rápidos e otimizados, sendo assim, o retorno de tais vantagens estarão disponíveis ao consumidor. Ainda, a troca facilitada de instituições por conta da facilidade de tramitação de dados irá gerar maior competitividade entre as instituições e preços mais baixos a fim de conquistar o interesse e lealdade do cliente.

            O Open Banking é seguro? Existirá uma facilidade de tramitação de dados, porém, este trânsito não poderá ocorrer sem a permissão do cliente. Ainda, o Banco Central criou uma série de requisitos para que as instituições garantam a segurança de dados e o sigilo das informações dos consumidores. Ademais, fora criada a Lei Geral de Proteção de dados (LGPD) que garante os direitos do consumidor no caso de vazamento de dados pessoais e financeiros, sendo este supervisionada pelo próprio Banco Central do Brasil.

            Qual a tecnologia existente por trás do Open Banking? Este sistema só foi possível graças ao Application Programming Interface, conhecido também como API. Trata-se de uma interface de programação de aplicações (sendo esta a tradução do nome) que realiza um diálogo entre as instituições financeiras de forma simples e otimizada, gerando uma área de compartilhamento em comum independentemente do local ou instituição, sendo assim, seus dados estarão dispostos para o lugar que desejar enviar. Como exemplo, é com esta tecnologia que você consegue acessar aplicativos e sites utilizando como login sua conta Google ou conta Facebook.

            Este sistema será gratuito para a população? Sim, não haverá custos para o consumidor, não existindo também cobranças no compartilhamento das informações quando requisitado, e, como já dito, o sistema ainda há de gerar melhorias nos valores das taxas de serviços já existentes.

            O sistema irá considerar os dados antigos do cliente? Sim, todo o histórico de crédito existente no banco de dados das instituições bancárias estarão presentes na otimização da rede, sendo transportada juntamente na requisição atual do cliente, pois é por meio desses que os bancos definem a possibilidade de linhas de crédito e afins.

            O Open Banking já está acontecendo? Foram definidas quatro etapas para implementação do Open Banking em 2021, sendo que duas delas já ocorreram e duas estão para acontecer. A primeira em 01/02 fora relacionada ao cadastro das instituições participantes, os serviços que oferecem e canais de atendimento; Na segunda fase, 13/08, a população já teve direito de utilizar o sistema compartilhando dados pessoais e financeiros, além de suas contas (ressaltando que isto ocorre apenas com a autorização do consumidor); Já a terceira fase irá ocorrer em 30/08, no qual será possível utilizar aplicativos de mensagens, por exemplo, Whatsapp, e iniciar pagamentos via Pix fora dos aplicativos bancários; Como última fase, estipulada para 15/12, os dados poderão ser transportados para além de instituições bancárias, ou seja, será possível transitar para empresas de câmbio, investimentos, seguros e previdência.

            Além dessas, a implementação do Open Banking continuará ocorrendo em 2022 e virá a ser otimizado nos próximos anos, para gerar uma estação de segurança e praticidade aos clientes. A reformulação do sistema de dados bancário também irá ofertar oportunidades de taxas menores e a busca de instituições com taxas mais atrativas, disponibilizando para a população a possibilidade de encontrar serviços que se enquadram perfeitamente em seu contexto. Frisamos ainda que este sistema já é utilizado em países desenvolvidos da Europa, além do Estados Unidos, então já se possui estudos significativos relacionados à eficácia deste serviço.

            Por fim, vamos aguardar as demais oportunidades e usufruir das já existentes. Para mais informações continue nos acompanhando e conhecendo cada vez mais as novidades do mundo tecnológico financeiro.