A partir do momento em que realizamos, após muito trabalho árduo e dedicação, a criação de uma empresa, precisamos zelar por inúmeras situações para garantir o sucesso. Hoje focamos aqui em uma destas questões, a qual é de grande importância caso trabalhemos, principalmente, no que chama ao contexto digital envolvido a dados.

Proteger não somente dados pessoais de nossos compradores como imaginamos em um primeiro momento ao tratar sobre segurança da informação, devemos também proteger outras informações sigilosas, como: produtos, metodologia de venda e afins, que são fundamentais para a imagem da empresa e seu futuro desenvolvimento.

Após a elaboração do Regulamento Geral de Proteção de Dados, realizado na Europa no ano de 2016, a segurança da informação passou a ser importante para qualquer ramo empresarial que exerça serviços e possua informações pessoais e confidenciais de seus clientes para garantir a segurança acima de tudo

No Brasil, a segurança da informação segue os modelos da LEI Nº 13.709, DE 14 DE AGOSTO DE 2018. Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a qual defende a proteção de dados (informações) pessoais de natureza física ou jurídica, inclusive em âmbitos digitais, seja por pessoa natural ou de direito público/privado, protegendo a liberdade e privacidade da população que utiliza serviços deste modelo.

Em caso de desrespeito desta lei, a empresa pode ser multada em até R$ 50 milhões. Vale ressaltar que a LGPD deve ser aplicada não importando o tamanho da empresa.

Nesse caso podemos assumir o compromisso da segurança da informação estruturada em quatro importantes e fundamentais pilares: confidencialidade, autenticidade, integridade e disponibilidade. Vamos então conhecer um pouco sobre cada um deles.

No que se diz sobre confidencialidade, a não proteção dos dados (informações) de clientes pode acarretar um sinônimo de má-fé ou irresponsabilidade da empresa, a qual não foi capaz de proteger dados pessoais de seus clientes, uma vez que esses necessitam inserir senhas, informações financeiras, realizar cadastros, etc.

Além de prejudicar clientes e, consequentemente a imagem da empresa, o indivíduo que tem conhecimento em segurança da informação e utiliza a mesma de forma criminosa é conhecido como cracker (ciber criminoso) ou mesmo pessoas que realizam a distribuição de informações na grande rede podem vir a utilizar estratégias contra sua empresa e produto.

Por outro lado, a autenticidade define o teor ético da empresa, garantindo que os dados reportados sejam verdadeiros, pois, hão de influenciar diretamente no serviço prestado e no produto. Uma vez que há a autenticidade, fraudes são nulas de ocorrer, gerando confiança a quem utiliza.

Por sua vez, a integridade está relacionada aos mecanismos e demais ferramentas que garantem a proteção e durabilidade dos dados (informações), não sendo possível a perda dos mesmos seja por erro humano ou digital. Portanto, cópias de segurança (backups) constantes, realizando uma rotina que ocorra em tempo real e armazenar esses dados em um ambiente seguro, com restrição de acesso são essenciais para garantir esta integridade.

Atualmente é muito comum utilizar empresas que fornecem serviços para armazenamento de dados em nuvem (cloud), como Amazon Web Services (AWS), Dropbox, Google Drive entre outras.

O último, mas não menos importante dos elementos necessários na segurança da informação, a disponibilidade trata-se de um sistema de proteção de constante funcionamento que possibilite acesso ao acervo de dados assim que seja solicitado por funcionários de suas determinadas funções ou responsáveis pela empresa para melhor operação de venda e distribuição do produto.

Estes pontos evitam, por exemplo: vazamento de informações referentes ao produto e metodologia da empresa, clonagem de cartões que prejudicam clientes, vazamentos de informações pessoais dos clientes que podem vir a gerar processo judicial, dentre outros fatores, os quais denigrem a imagem da empresa e a prejudicam na hora de conquistar novos clientes dada à má reputação construída pela negligência. Para tanto, um bom serviço de segurança dos dados evita prejuízos e mesmo o término de um sonho empresarial.

A fim de evitar golpes, fraudes e garantir a proteção dos dados, as empresas podem vir a ter um serviço terceirizado especializado ou possuir um setor específico que realize tais funções e propicie todos os pontos citados neste artigo.

Contudo acompanhar o desenvolvimento e evolução de novas tecnologias; investir na área da tecnologia da informação; políticas de segurança dentro da empresa; treinamento da equipe geral ou pessoal que utiliza dados de clientes; softwares e plataformas que realizem o processo de proteção e monitoramento constante; uso de chaves criptográficas para acesso dos clientes que possuam chave privada; planos de contingência e backups do sistema, são ótimas formas de garantir e evitar situações adversas.

Portanto, investir na área de segurança da informação de sua empresa, é garantir a proteção de seus clientes e veracidade de suas informações, com vistas a evoluir de forma positiva a ampliação do produto e visibilidade dos serviços.