Há poucos anos talvez fosse difícil de acreditar no sucesso das plataformas de Streaming, mas aos poucos a praticidade foi conquistando o coração da população, a qual foi migrando aos serviços de músicas, jogos, vídeos, séries e filmes, assim que acostumaram-se com a novidade.

Desvincular das compras físicas, de possuir em casa os dvds e até mesmo colecionar na estante pode ser uma prática difícil, porém, quando nos deparamos com a possibilidade de um acesso fácil, agilidade e um baixo custo ao assinar tais plataformas, a tendência é evoluir juntamente à tecnologia digital que tanto nos conforta.

Historicamente falando, o termo foi utilizado pela primeira vez em 1990, como também o nome que não popularizou por ser muito longo “store and forward video”, em que a tradução ao português seria literalmente: armazenar e encaminhar vídeo”. A empresa Data Eletronics Inc. teve como objetivo diminuir a velocidade do fluxo de transmissão de fitas, para que pudesse armazenar ainda mais conteúdo no dispositivo de forma mais veloz.

Mas afinal, o que é o Streaming?

Antes de definirmos o serviço em si, a palavra stream, em inglês, significa riacho ou mesmo córrego, sendo remetido então ao sentido de fluxo. Caso juntemos a tecnologia digital envolvida no processo, possuímos o termo streaming, o qual leva um fluxo de dados virtuais de um ponto a outro em qualquer localidade do mundo que possua acesso à internet.

O streaming é, portanto, um processo de transmissão de dados de um servidor (um supercomputador responsável por armazenar todos os dados da plataforma) ao seu computador, tablet, Smart TV, smartphone e afins. O detalhe é que tudo isso ocorre em tempo real, sendo assim, não há nem mesmo a necessidade de baixar o conteúdo como antes. O servidor envia pequenas quantidades de dados e a reprodução pode ser feita de forma imediata, por sua vez, o assinante não mais precisa esperar carregar todo o arquivo para apenas então começar a assisti-lo/ouvi-lo.

Como exemplo, hoje nós temos alguns serviços de streaming que são muito utilizados. Que muitas vezes os assinantes apenas consomem e não entendem como funciona por trás. Estou falando da Netflix, e da Amazon Prime Video, são dois serviços de Streaming muito grandes na atualidade, e que possuem milhões de assinantes.

Assim que o assinante executa o início dos arquivos recebidos, eles são imbricados no formato original, evitando parecer que o arquivo estava separado, existindo ainda em diversas destas plataformas a função buffer, otimizando o carregamento dos dados antes mesmo do play. Em acréscimos, mesmo que haja problemas de conexão que conflitue com o carregamento dos dados, o assinante pode diminuir a qualidade do vídeo, por exemplo, para que não haja pausas indesejadas.

Tendo em vista os episódios de pirataria que se tornaram muito populares nas últimas décadas e acabaram desvalorizando e prejudicando o trabalho de artistas, estúdios e tantos outros profissionais, as plataformas de streaming são uma saída considerável a tal, democratizando os acessos e também repassando uma quantidade de valor aos detentores dos direitos dos autorais.

A tecnologia de streaming tornou-se uma realidade em nossa sociedade, sendo que as mais conhecidas plataformas já possuem milhões de assinantes no mundo todo. A tendência é que cada vez mais os serviços migrem ao streaming e captem ainda mais assinantes.

Entretanto, vale ressaltar, com a adesão a tais serviços, ainda mais vão aparecendo e tornando-se populares, porém, é preciso tomar cuidado com as finanças para que não prejudiquem nosso bem estar quotidiano com produtos e funções existenciais. Alguns serviços de streaming possuem pacotes famílias que facilitam no pagamento, porém, pagar individualmente, pode vir a pesar no bolso do assinante, uma vez que as taxas de assinatura transitam, cada uma, entre 20 reais ao mês.

E você, caro leitor, quais são suas plataformas de streaming preferidas?